Ginkgo

GinkgoGinkgo biloba

Esta árvore caducifólia originária da China é uma das espécies mais antigas existentes à face da Terra (algumas das espécies identificadas contam mais de 2000 anos, embora os paleontólogos façam remontar as suas origens ao período Jurássico) e pode chegar aos 35m de altura e 9m de envergadura. É amplamente cultivada no Japão, na Coreia, na Europa, nos Estados Unidos e na América do Sul (Argentina, Chile e Uruguai).

Pertence à família das Ginkgoáceas e as partes utilizadas são as folhas.

Os seus principais constituintes são os ginkgólidos A, B, C, J, e M, substâncias polifenólicas em que predominam flavonóides e biflavonóides (bilobetol, ginkgetol, derivados do quercetol e do campferol), proantocianidinas, glúcidos, ácidos gordos, fitosteróis e sesquiterpenos.

O ginkgo, pelo extrato titulado em flavonóides e em ginkgólidos é hoje considerado como um produto que atuando no SNC evita a perda de memória e a decadência das funções cognitivas, particularmente nas pessoas idosas. Este efeito é explicado por o conjunto de alguns dos seus constituintes mostrarem ação inibidora da agregação plaquetária, vasodilatação periférica com redução da fragilidade capilar, aumento do fluxo sanguíneo cerebral, melhor oxigenação dos tecidos cerebrais, para além de haver inativação dos radicais livres e menor formação de peróxido de hidrogénio.

O ginkgo é tradicionalmente utilizado em casos de diminuição do rendimento intelectual, perda de memória, zumbidos, dores de cabeça e ansiedade devido a insuficiência cerebral dos idosos, na prevenção da aterosclerose e da formação de trombos.

 

Se desejar, pode encontrar mais informação sobre o ginkgo nos estudos científicos e literatura que aqui disponibilizamos:

Walesiuk A et al. (2005). Ginkgo biloba extract diminishes stress-induced memory deficits in rats. Pharmacological Reports 57: 176-187.

Blecharz-Klin K et al. (2009). Pharmacological and biochemical effects of Ginkgo biloba extract on learning, memory consolidation and motor activity in old rats. Acta Neurobiologiae Experimentalis 69: 217-231.

Ginkgo biloba leaf extract. Excerpt from Herbal Medicine: Expanded Comission E Monographs. American Botanical Council 2000.

Le Bars PL and Kastelan J (2000). Efficacy and safety of a Ginkgo biloba extract. Public Health Nutrition 3: 495-499.

Gong QH et al. (2006). Protective effect of Ginkgo biloba leaf extract on learning and memory deficit induced by aluminum in model rats. Chinese Jornal of Integrative Medicine 12 (1): 37-41.

May BH et al. (2009). Chinese herbal medicine for Mild Cognitive Impairment and Age Associated Memory Impairment: a review of randomised controlled trials. Biogerontology 10 (2): 109-123.

Oliveira DR et al. (2009). Neuromodulatory property of standardized extract Ginkgo biloba L. (EGb 761) on memory: behavioral and molecular evidence. Brain Research 1269: 68-69.

Baurle P et al. (2009). Safety and effectiveness of a traditional ginkgo fresh plant extract – results from a clinical trial. Forschende Komplementarmedizine 16 (3): 156-161.

Kaschel R (2011). Specific memory effects of Ginkgo biloba extract EGb 761 in middle-aged healthy volunteers. Phytomedicine 18 (14): 1202-1207.

 

Referências:

Cunha AP, Silva AP, Roque OR (2012). Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia, 4ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian Serviço de Educação e Bolsas, 360-361.

Cunha AP, Roque OR (2011). Plantas Medicinais da Farmacopeia Portuguesa, 2ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian Serviço de Educação e Bolsas, 313-328.

Physicians Desk Reference for Herbal Medicines (2000), 2nd Edition, Thomson Medical Economics, 342-346.

Domínguez M, Gómez R. Novo Guia das Plantas Medicinais, Ediclube, 62-63.

McIntyre A. (2015). Herbal Remedies for Everyday Living, Octopus Publishing Group Lda, 79.

 

Estudos:

Ginkgo 1 || Ginkgo 2 || Ginkgo 3 || Ginkgo 4 || Ginkgo 5 || Ginkgo 6 || Ginkgo 7 || Ginkgo 8 || Ginkgo 9 

Nutradvance - Web by Volupio