Chá Verde

Chá VerdeCamellia sinensis

Arbusto ou árvore pequena considerada originária das florestas quentes e chuvosas da Birmânia ao Vietname e da China Meridional. Desde a antiguidade que é cultivada na China e hoje em muitos outros países , com destaque para a Índia e Sri Lanka.

Pertence à família das Teáceas e as partes da planta utilizadas são as folhas secas, não fermentadas.

Como constituintes possui metilxantinas, representadas principalmente por cafeína (também denominada por teína), polifenóis que compreendem ácidos fenólicos (clorogénico, cafeíco, gálhico), e vários flavonóides (quercetina, campferol, miricetina). Possui também galhato de epicatecol, taninos hidrolisáveis, glúcidos solúveis, vitaminas B1, B2 e C, sais minerais e óleo essencial.

A cafeína é responsável pela ação estimulante sobre o sistema nervoso central (reduz a fadiga e inibe o sono) e sobre o centro cardiorespiratório. Os polifenóis mostraram serem inibidores da peroxidação lipídica e captadores de radicais livres. Foi também observado terem uma ação lipolítica por potenciação das catecolaminas.

O chá verde é tradicionalmente utilizado em situações de astenia física ou psíquica, como coadjuvante de regimes de emagrecimento, aterosclerose, hiperlipidemias e para favorecer a eliminação renal de água.

 

Se desejar, pode encontrar mais informação sobre o chá verde nos estudos científicos e literatura que aqui disponibilizamos:

McKay DL and Blumberg JB (2002). The Role of Tea in Human Health: An Update. Journal of the American College of Nutrition 21 (1): 1-13. (Review)

Cabrera C et al. (2006). Beneficial Effects of Green Tea—A Review. Journal of the American College of Nutrition 25 (2): 79-99. (Review)

Tinahones FJ et al. (2008). Green Tea Reduces LDL Oxidability and Improves Vascular Function. Journal of the American College of Nutrition 27 (2): 209-213.

Hininger-Favier I et al. (2009). Green Tea Extract Decreases Oxidative Stress and Improves Insulin Sensitivity in an Animal Model of Insulin Resistance, the Fructose-Fed Rat. Journal of the American College of Nutrition 28 (4): 355-361.

McKay DL and Blumberg JB (2007). Roles for Epigallocatechin Gallate in Cardiovascular Disease and Obesity: An Introduction. Journal of the American College of Nutrition 26 (4): 362S-365S.

Wolfram S (2007). Effects of Green Tea and EGCG on Cardiovascular and Metabolic Health. Journal of the American College of Nutrition 26 (4): 373S-388S.

Romeo et al. (2009). The Major Green Tea Polyphenol, (-)-Epigallocatechin 3-Gallate, Induces Heme Oxygenase in Rat Neurons and Acts as an Effective Neuroprotective Agent against Oxidative Stress. Journal of the American College of Nutrition 28 (4): 492S-499S.

Zheng X et al. (2011). Green tea intake lowers fasting serum total and LDL cholesterol in adults: a meta-analysis of 14 randomized controlled trials1–4. The American Journal of Clinical Nutrition 94: 601-610.

Rebello SA et al. (2011). Coffee and tea consumption in relation to inflammation and basal glucose metabolism in a multi-ethnic Asian population: a cross sectional study. Nutrition Journal 10:61.

Brown AL et al. (2011). Health effects of green tea catechins in overweight and obese men: a randomised controlled crossover trial. British Journal of Nutrition pp 1-10.

 

Referências:

Cunha AP, Silva AP, Roque OR (2012). Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia, 4ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian Serviço de Educação e Bolsas, 230-231.

Physicians Desk Reference for Herbal Medicines (2000), 2nd Edition, Thomson Medical Economics, 369-372.

 

Estudos:

Chá Verde 1 || Chá Verde 2 || Chá Verde 3 || Chá Verde 4 || Chá Verde 5 || Chá Verde 6 || Chá Verde 7 || Chá Verde 8 || Chá Verde 9 || Chá Verde 10

Nutradvance - Web by Volupio